Liderança “”de fora para dentro”” – David Ulrich – (Fonte: www.hsm.com.br)

04/02/2013 at 7:09 PM 1 comentário

 

“Um líder individual importa, mas a liderança de uma organização é a mais importante ao longo do tempo”, afirma David Ulrich, professor da University of Michigan e expert em liderança e Recursos Humanos. Segundo sua definição, o termo “liderança” diz respeito à capacidade da organização de formar futuros líderes. Estes, por sua vez, são indivíduos que têm características únicas para guiarem o comportamento de outros.

Em artigo intitulado “Are we there yet?”, Ulrich, que virá a São Paulo para ministrar palestra no Fórum HSM Gestão e Liderança 2013, evento que será realizado nos dias 2 e 3 de abril, indica caminhos para a conquista da liderança em profundidade. Ela requer a ação efetiva da área de RH no sentido de entregar valor à empresa.

A área cumpre essa missão focando, além da dimensão da liderança, a dos indivíduos e a da organização. O autor justifica esse tripé: “Para que se cumpra qualquer estratégia, os indivíduos têm de ser mais produtivos, as organizações têm de ter as competências certas e a liderança precisa ser amplamente compartilhada por meio da organização”.

Ulrich observa profissionais de RH queixarem-se de terem ação limitada nas empresas em que não são considerados parceiros do negócio. Em seu livro mais recente, RH From the Outside In (ed. McGraw-Hill), Ulrich e seus colegas chamam a atenção para necessidade de os executivos da área pensarem no ambiente de maneira ampla, incluindo o contexto em que os negócios são feitos, os stakeholders externos e as estratégias que levam à vantagem competitiva. Somente com essa visão o RH poderá alinhar suas práticas e o comportamento da liderança aos objetivos estratégicos.

Uma das perguntas que o RH deve fazer é “Em que nossos líderes precisam ser bons para que esta estratégia aconteça?” Tal pergunta, bem como outras ligadas a talentos e à organização, levará aos objetivos de RH, a partir dos quais suas práticas são definidas e, finalmente, entregues.

360 graus é pouco

Ulrich recomenda que os executivos de RH ajudem a definir o que é eficácia da liderança a partir da perspectiva do cliente, isto é, “de fora para dentro”. No trabalho realizado pelos consultores do RBL Group, fundado por Ulrich, a liderança começa a ser definida, comumente, com base na publicidade ou em outras apresentações comerciais que a empresa-cliente possua, já que tais anúncios refletem a marca desejada pela companhia. Eles contêm, ao mesmo tempo, a expectativa que o cliente e os stakeholders externos têm em relação à marca.

Esse é o ponto de partida para a identificação dos comportamentos da liderança que sejam condizentes com a entrega dessas promessas e tornarão a liderança mais sustentável e eficaz. Identificados os comportamentos de liderança, é preciso investir nela, ou seja, formar líderes.

Segundo o especialista, 50% do tempo da formação de um líder devem ser destinados  ao trabalho em si, o que inclui a interação com as pessoas de referência em cada papel, e 30% do tempo devem ser de treinamento formal, preferencialmente aquele feito para o negócio específico da companhia, com casos relevantes a serem estudados e o devido follow-up.

Os 20% restantes são pura experiência de vida. “Muitos de nós aprendemos com as experiências fora do trabalho, em família, ambientes sociais, trabalhos voluntários, leituras e viagens. Quando as empresas podem encorajar e avaliar o conhecimento que vem daí, os líderes ampliam seu repertório”, diz o consultor em seu artigo.

Estando o padrão da liderança definido, é preciso avaliar os líderes –não em 360 graus, mas em “720 graus”. Isso inclui fornecedores, clientes, comunidades e outros grupos de interesse externos. É importante, ressalta Ulrich, não restringir a avaliação ao CEO da empresa, mas incluir nela os aspirantes a essa posição, o que contribuirá para que o RH monitore a capacidade dessas pessoas de servir os clientes e, consequentemente, a qualidade da liderança.

Anúncios

Entry filed under: Sem categoria.

Faculdade Senai de Tecnologia Gráfica – 1o. Semestral – Gestão de Recursos – Material de Apoio – “Exercício do Chinês” Faculdade Senai de Tecnologia Gráfica- Pós Graduação – Material de Apoio

1 Comentário Add your own

  • 1. Aparecido domingos  |  06/02/2013 às 9:35 AM

    muito bem observado na questão de averiguar não só o curriculo dos lideres, mais tudo que esta direto e indiretamente ligado a ele, para sim poder fazer uma observação e obter uma satisfação concreta
    é impresionante o poder do conhecimento.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


fevereiro 2013
D S T Q Q S S
« jan   mar »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728  
Participe com seus comentários!!! Divulgue o blog!! Vamos criar mais um fórum de debates da indústria gráfica!

Tópicos recentes

Feeds


%d blogueiros gostam disto: