Archive for janeiro, 2011

Frase Einstein

“Insano é aquele que faz sempre as mesmas coisas esperando resultados diferentes”

Genial!!!!!

Anúncios

31/01/2011 at 2:22 PM Deixe um comentário

Pós PPMI – Notas de Aula

Anexos os slides sobre “A Qualidade na Indústria Gráfica – suas características e limitações” ( já postado anteriormente), que serve de base para o trabalho de análise de um produto gráfico; e os slides sobre “Padronização / Especificação” que foram apresentados no último sábado (29/01)

Pós PPMI – Qualidade na Industria Gráfica

Padronização

31/01/2011 at 7:59 AM Deixe um comentário

Uma história que eu não gostaria de contar – Texto de Adriano Silva (Fonte: www.exame.com.br)

Se você silenciar, vira cúmplice, parceiro. Se você virar a cara e fingir que não está acontecendo, também.

A história é assim. Uma mulher de uns 50 e poucos anos, pobre, sem instrução, mora na periferia de uma grande capital brasileira. Não é miserável, pelos padrões do Brasil, mas acomodou-se na ignorância e na falta de perspectiva. Se morasse nos Estados Unidos, seria daqueles pessoas sem respeito próprio que decidem viver do welfare, às custas da ajuda do governo para não morrer de fome, o que é o último estágio na estrutura social americana. Por aqui, ela é mais uma entre tantas integrantes da classe D, equilibrando-se precariamente no último degrau da dignidade, ainda com alguma comida sobre a mesa mas com a certeza de que jamais ascenderia à classe média baixa.
Essa mulher tem duas filhas, ambas com pouco mais de 25 anos. Cada uma de um casamento diferente. Os progenitores, como é comum, viviam suas vidas noutro lugar, talvez com outras famílias, absolutamente alheios ao curso das vidas daquelas duas meninas. A mulher tem um novo marido. Um namorado que, também como é comum, virou um agregado da casa. A filha mais nova da mulher tem um menino de 8 anos. A filha mais velha também tem uma filha. Eles moram todos juntos. A filha mais velha teve a sua menina ainda adolescente, como é comum. E também como é comum, essa menina, a neta da matriarca, também engravidou adolescente. Eis o que não é comum: a criança que essa menina deu à luz é filha do namorado da avó. Ou seja: o padrasto da sua mãe é ao mesmo tempo pai legítimo e bisavô postiço da criança recém nascida. O homem abusou sexualmente da neta da sua companheira. Repetidas vezes, soube-se depois. Se é que já não se sabia disso antes. A menina, aos 13 anos, era mãe do bisneto da sua avó e também uma vítima da violência sexual imposta pelo namorado que a dona dessa pensão manicomial havia trazido para dentro de casa.
Acredite ou não, depois do pequeno rebuliço armado com a gravidez da neta nessas condições hediondas, a dona da casa resolveu permitir que o namorado continuasse morando ali. Perdoou-o. A família, ou aquele ajuntamento de gentes, como você preferir, continuou morando junto, assistindo TV amontoada na sala, dividindo o mesmo banheiro e a mesma geladeira. Até que, algum tempo depois, o previsível aconteceu: o namorado da mulher, padrasto das filhas, pai e bisavô postiço do bebê, abusou daquele que seria o seu outro neto, o menino de 8 anos, filho da filha mais nova de sua companheira. Um menino, na tenra infância, muito antes da puberdade, fora abusado sexualmente por seu avô emprestado, pelo amante da avó.
Outro rebuliço e desta vez o sujeito é colocado para fora de casa. Depois de ter maculado indelevelmente duas crianças. Sob a negligência e a quase cumplicidade da mulher e também de suas duas filhas, mães das crianças vitimadas, que de algum modo compactuaram com as condições para que esse pesadelo acontecesse. Essa é a última notícia que tenho para relatar. Talvez o abusador já tenha voltado e tenha sido outra vez perdoado e tenha sido outra vez reintegrado à casa. Talvez a mulher tenha consumado suas ameaças de mandar matá-lo e ele já esteja apodrecendo numa vala. Não sei. O que sei é que esse conto de horror não aconteceu apenas na periferia de uma cidade brasileira, ele aconteceu também na periferia da minha família.
Resolvi contar essa história porque o silêncio é sempre favorável ao crime, é sempre um incentivo a que as agressões se repitam e se eternizem. Especialmente no que se refere ao abuso e à violência sexual contra menores. Esse é um dos maiores tabus que ainda existem entre nós. Ninguém quer saber, ninguém quer ouvir, ninguém quer enxergar, ninguém quer admitir que isso existe, ninguém quer lidar com fatos dessa natureza. Todo mundo prefere achar que isso só acontece lá longe, com os outros, num lugar distante o suficiente para não nos envolvermos, para não termos que encarar a foto insuportável nem sentir o cheiro fétido. No entanto, apagar a luz não faz o monstro desaparecer. Ao contrário, isso só o torna mais letal – porque o monstro enxerga e opera no escuro, e nós não. É constrangedor e é desagradável relatar uma história dessas. Mas já aprendi que é muito mais vergonhoso não contá-la. Porque isso significa em grande medida compactuar com ela, oferecer condições para que ela continue acontecendo e ceifando novas vítimas. E essa é uma guarida que eu jamais oferecerei ao Lado Sombrio da Força. Eu sou Jedi.
A saber: em 2010, fiz o primeiro trabalho voluntário da minha vida, ajudando o pessal da Childhood, do World Childhood Foundation (WCF), a Fundação da Rainha Sílvia, da Suécia, a lançar o seu site. Isto certamente não foi uma coincidência. Se você conhece algum caso como esse, ou desconfia que algo parecido possa estar acontecendo ou possa vir a acontecer com alguém, se você foi abusado ou se você sente que em algum momento pode vir a se tornar um abusador, entre em contato com eles. Denuncie, peça informação, solicite ajuda.

Adriano Silva

28/01/2011 at 9:40 AM 1 comentário

6 ideias para o empreendedor tirar da agenda em 2011 – Texto de Christian Barbosa (Fonte: www.hsm.com.br)

Já falei da importância de se ter uma lista do que não deve ser feito em diversos artigos e posts. No livro Mais Tempo Mais Dinheiro, dedicamos um capítulo inteiro a esse tema.
Na última ExpoManagement o Jim Collins, considerado o sucessor de Peter Drucker, falou que todos os CEOs deveriam ter essa lista de coisas a serem eliminadas do seu tempo.
Para um empreendedor/diretor ter isso muito claro é vital. Aproveitando que o ano está começando, selecionei alguns itens que poderiam ser pensados para compor essa lista:

1 – Atividades operacionais: Se você fica o tempo todo em atividades operacionais, você trabalha “NO” negócio e não “O” negócio de forma mais ampla. Talvez esse modelo esteja impedindo a empresa de crescer, de descentralizar decisões ou até de permitir que você tenha mais tempo para sua vida.
Como sugestão, se você usar o Neotriad ou o MS Outlook, pode classificar essas tarefas como circunstanciais ou colocar uma categoria específica. Depois, analise sempre a semana anterior, para ter uma clareza do que anda acontecendo.

2 – Reuniões sem objetivo definido: Quantas reuniões participamos por conveniência ou porque simplesmente não queremos dizer não? Eu só tenho agendado reuniões que tenham um resultado claro para mim, todas as outras eu corto ou mudo o meio (Skype ao invés de presencial).

3 – Pular de ideia em ideia: Empreendedor parece que tem adrenalina em excesso, já reparou? Muitos são tão frenéticos no dia-a-dia, que ao primeiro sinal de uma ideia, já largam tudo e saem fazendo. No final, muito tempo perdido e pouco resultado prático. Seja mais seletivo, saiba diferenciar oportunidades de perdas de tempo.

4 – Controlar o horário da equipe: Se você tem essa mania de controlar se seu assistente chegou às 8h ou 8h10, fique sócio da Dimep, que é uma indústria de relógios de ponto! Controle resultados, projetos, entregas e não horários de forma minuciosa. Cada vez mais o horário será coisa do passado. Com trânsito, enchentes, internet, precisamos ser flexíveis. Se a pessoa funciona melhor chegando às 10h e saindo às 20h, porque não ser mais flexível?

5 – Adiar férias: Relaxar é um item que precisa ser priorizado e não deixado de lado! Trabalhar freneticamente, sem pausas, mata sua produtividade, sua criatividade e deixa você mais chato. Tire férias curtas (3 a 5 dias) e várias vezes ao ano, o resultado é melhor.

6 – Atender alguns clientes: Se o cliente não gera lucro (não disse faturamento), não gera resultados, não ajuda a equipe e tira sua paz, talvez esse cliente não seja um cliente para você. Corta, cancela o contrato, nem pensa muito.

E você, o que acha que precisa parar de fazer para sua empresa e/ou sua vida começar a evoluir?

27/01/2011 at 9:45 AM Deixe um comentário

Técnicas de Negociação (Light!!)

“Um irmão e uma irmã estavam disputando um pedaço de bolo, e cada um insistia em ficar com o pedaço maior. Assim que o garoto se apodera da faca e se prepara para cortar o seu pedaço, o pai entra em cena.

Seguindo a tradição do rei Salomão, o pai diz: – Esperem, não me importa quem vai dividir o bolo, mas quem o fizer tem que dar ao outro o direito de escolher o pedaço que desejar.

Naturalmente, o garoto corta o bolo em dois pedaços exatamente do mesmo tamanho.”

(Trecho do livro Líder com Mente de Mestre, de Jamil Albuquerque)

26/01/2011 at 9:08 AM 1 comentário

Empreendedor e inovação nas organizações – Texto de Afonso Cozzi – Coordenador do Núcleo de Empreendedorismo da Fundação Dom Cabral

Vivemos na era do conhecimento, contexto em que sua criação e uso se tornam referências para decisões econômicas. Podemos hoje “criar mais valor com uma ideia em 10 segundos do que com 10 mil horas de uma linha de montagem”, como afirma o escritor Alvin Toffler. Basta considerarmos o aumento da proporção do trabalho relacionada ao uso de conhecimento e informação contido nos bens, e compará-la com a parte manual envolvida na produção.

Os bens baseados em conhecimento, tais como patentes, consultoria e atividades culturais entre outros, têm rentabilidade mais elevada.
Dados recentes indicam que esses bens participam com mais de 50% da riqueza gerada no mundo.
Sendo o conhecimento fator-chave na criação de riqueza, sua utilização para gerar valor econômico está diretamente relacionada à inovação, não apenas tecnológica, nas também ligada a outras formas – por exemplo, na organização e gestão ou no modelo de negócio.
Nesse contexto, cresce o papel do empreendedorismo. Segundo Peter Drucker, a inovação é um instrumento específico dos empreendedores e o meio pelo qual exploram a mudança como oportunidade para um negócio diferente.
Na cultura empresarial voltada para a inovação encontramos as mesmas bases formadoras de um ambiente propício aos “empreendedores corporativos” (ou intraempreendedores), onde todos os colaboradores são responsáveis pela competitividade da empresa e a alta administração apoia as iniciativas empreendedoras e os projetos inovadores.
Como, então, promover uma cultura orientada para o empreendedorismo e a inovação? A União Europeia reconheceu que seu sistema de ensino formal não tem criado as bases para uma sociedade mais empreendedora e inovadora.
Dessa forma, propôs uma profunda reforma do sistema educacional, partindo do pressuposto que atitudes e referências culturais tomam forma desde a primeira idade.
O programa de trabalho, conhecido como “Educação e Formação 2010”, sugere mudanças do primeiro ciclo do ensino básico até a universidade. Essas mudanças já estão em curso em diversos países membros da comunidade europeia.
No Brasil, a prática tem revelado um quadro semelhante, exigindo a implantação da educação empreendedora em todos os níveis.
A partir de experiência iniciada em Minas Gerais, vários municípios brasileiros já aplicam uma pedagogia especial, chamada de empreendedora, a partir da educação infantil até o segundo grau, de forma a estimular a capacidade de escolha do aluno, sem influenciar suas decisões, preparando-o para suas próprias opções, na vida pessoal e profissional. Em São José dos Campos, o método já funciona há 12 anos em escolas da rede municipal.
Cada vez mais, as grandes empresas também estão buscando soluções, para desenvolver entre seus colaboradores a capacidade empreendedora e uma postura voltada à inovação. Assim, conseguem suprir a deficiência da formação escolar básica e superior, conscientes de que inovar não é função apenas do departamento de P&D, mas de toda a organização.
Estudos convergem para a visão do empreendedor como alguém capaz de desenvolver sonhos que contribuam para a evolução de sua individualidade e possam gerar valores humanos para a organização onde trabalha e para sua comunidade.
A energia empreendedora pode então ser despertada nas pessoas em um ambiente que estimule a competição por sonhos, com base numa estratégia e visão de futuro perceptível, que seja excitante e satisfatória para cada um e para o grupo.

25/01/2011 at 9:47 AM Deixe um comentário

TCC’s – 8º Semestral – 1º Semestre 2011 – Cronograma e Material de Apoio

CRONOGRAMA TCC – 1º SEMESTRE 2011.

28/01/2011 – Definir Grupo

04/02/2011 – Definir Empresa

18/02/2011 – Definir Problema e Orientador

11/03/2011 – Apresentação: Estrutura do Projeto

08/04/2011 – Capítulos 1 a 3

29/04/2011 – Treinamento Apresentação

27/05/2011 – Relatório Escrito

10/06/2011 – Entrega do resumo para a Banca

13 a 16/06/2010 – Apresentação Final

Clique nos links abaixo para ver como deve ser estruturado o trabalho final e qual é a formatação do relatório a ser entregue. Sugiro salvar estes arquivos em seu computador pois eles serão fontes de consulta durante todo o período de trabalho

Estrutura do TCC

modelo RELATÓRIO TÉCNICO – Aprovado em 29-09-2010

24/01/2011 at 8:08 AM Deixe um comentário

Posts antigos


janeiro 2011
D S T Q Q S S
« dez   fev »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
Participe com seus comentários!!! Divulgue o blog!! Vamos criar mais um fórum de debates da indústria gráfica!

Tópicos recentes

Feeds