Copa do Mundo e Olimpíadas: ainda dá tempo de desistir? – Texto de André Barcinski (Blogs da Folha) que eu gostaria de ter escrito!!

23/08/2010 at 4:32 PM 4 comentários

Dias estranhos esses.

Primeiro, a Gol cancela 300 vôos e deixa milhares de passageiros dormindo em aeroportos.

Depois, um avião cai na Baía de Guanabara e fecha o Aeroporto Santos Dumont.

Na sequência, o governador do Rio, Sergio Cabral, chama de “otário” um menino que pediu a construção de quadras de tênis em sua comunidade. E Lula, num gesto de nobreza olímpica digna do Barão de Coubertin, diz que tênis é “esporte de burguês”. O que leva à inevitável pergunta: o que o presidente acha de badmington ou nado sincronizado?

Não parou por aí. Logo depois, o governador de São Paulo, Alberto Goldman, descobre a pólvora e escreve um artigo dizendo que teremos caos no transporte aéreo se um novo aeroporto não for construído no Estado. E uma pesquisa mostrou que 57% dos brasileiros não querem dinheiro público usado nas obras da Copa. Tá bom.

No dia seguinte, leio que o Cubo D’Água, uma das obras mais espetaculares e caras das Olimpíadas de Pequim, reabriu como um parque aquático, mais de dois anos depois do fim dos Jogos. Um parque aquático de meio bilhão de dólares.

Depois, leio na Folha que o governo finalmente percebeu que as obras dos estádios da Copa estão atrasadas e pediu pressa às cidades-sede. No mesmo dia, um grupo de marginais, voltando de uma festinha de arromba carregando metralhadoras e fuzis, é surpreendido pelo polícia e acaba invadindo um hotel de luxo em São Conrado.

Eram muitos os sinais.

Daí, tive a idéia de viajar de São Paulo ao Rio de Janeiro pela Rio-Santos. Pude constatar algumas coisas:

A marginal Tietê e a Avenida Brasil continuam disputando pau a pau o posto de acesso mais lúgubre a uma metrópole.

A Rio-Santos até que vai bem até a fronteira de São Paulo e Rio. Logo depois da placa, uma cratera de três metros de diâmetro dá as boas-vindas ao Rio de Janeiro.

A estrada Paraty-Cunha, rota de fuga em caso de acidente nuclear em Angra, continua interditada, 20 meses depois de uma tromba d’água em janeiro de 2009.

A Rio-Santos tem pelo menos seis locais com obras interrompendo o tráfego. Aparentemente, oito meses não foram tempo suficiente para consertar os trechos afetados pelos desabamentos de janeiro deste ano, que causaram mortes em Angra e na Ilha Grande.

O trecho em que a Rio-Santos encontra a Avenida Brasil lembra uma mistura de Bagdá com os desertos de “Mad Max”. Caminhões ziguezagueiam em alta velocidade fugindo dos buracos, enquanto pedestres suicidas cruzam a via a pé correndo por baixo de passarelas.

Quase fomos abalroados por um caminhão. O motorista estava sem camisa, falando no celular, e com olhos esbugalhados de que está sem dormir há cinco dias, à base de bolinha. E o melhor: transportando um carregamento de bujões de gás!

Fico imaginado o que acontecerá com um turista que vem assistir à Copa, resolve conhecer as belezas de Angra dos Reis e precisa passar por ali.

Mas o que eu realmente gostaria de saber é: o que acontecerá com os estádios da Copa e com as instalações das Olimpíadas depois que as competições terminarem?

Será que dá tempo de ligar na FIFA e no COI e desistir?

Escrito por André Barcinski

Anúncios

Entry filed under: Geral, Gestão.

Formatura da Faculdade Senai de Tecnologia Gráfica Como adaptar a gestão para a Geração Y? – Texto de Danilca Galdini (HSM Online)

4 Comentários Add your own

  • 1. roberto  |  24/08/2010 às 9:59 AM

    Matéria absolutamente pertinente. Calminha, que a Dilma e sua super trupe de intelectuais vem aí. Meu Deus….

    Responder
  • 2. Pedro  |  26/08/2010 às 10:23 AM

    Sad but truth (triste mas verdade)

    Responder
  • 3. Rafael Perrone  |  02/09/2010 às 12:40 PM

    Mutio legal este texto, eu havia lido no site da Folha!

    http://espnbrasil.terra.com.br/maurocezarpereira/post/145180_PEDIDO+DE+LULA+A+EMPREITEIRA+POR+ESTADIO+DO+CORINTHIANS+E+VERGONHA

    Este blog, também trata destes tipos de assunto, com uma visão interessante, se você costuma fazer esssas leituras, pode perder 5 minutinhos nele!

    Responder
  • 4. Robson Xavier de Carvalho  |  10/09/2010 às 6:41 PM

    Botana, tenho amigos que trabalharam como voluntários no PAN do Rio e acompanhei e ouvi muitas conversas de quem esteve do lado de dentro. Construções mal feitas, mal acabadas e com tapumes revestidos de textura imitando paredes e muros, tudo a moda do toque de caixa. Hoje em dia, tudo abandonado, tudo largado, já que se prestaram à sua importância maior que era pagar bola para Carlos Arthur Nusman e sua quadrilha.
    Jogos Olímpicos e Copa serão apenas mais do mesmo.
    Quer apostar comigo? Vale uma Tubaína das antigas, em casco de cerveja.
    Abraços

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


agosto 2010
D S T Q Q S S
« jul   set »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  
Participe com seus comentários!!! Divulgue o blog!! Vamos criar mais um fórum de debates da indústria gráfica!

Tópicos recentes

Feeds


%d blogueiros gostam disto: