Duas frases geniais sobre “Cultura” nas empresas.

“Cultura é o que acontece quando o chefe sai” – Chip Conley – hoteleiro

“A cultura come a estratégia no café da manhã” – Joi Ito – diretor do MIT Media Lab

 

Fonte: Organizações Exponenciais de Salim Ismail – hsm editora

04/04/2018 at 7:38 PM 1 comentário

Curso ABTG – Produtividade sem desperdício – Flávio Botana

Passada a semana da ExpoPrint onde vimos novidades e tecnologias, é importante reforçar que para que o sucesso empresarial seja alcançado é preciso tecnologia, recursos humanos treinados e motivados e uma gestão eficaz.

Vamos falar de gestão.

Na próxima semana – de 03 a 05 de Abril – estarei ministrando na ABTG o curso “Produtividade sem desperdício” onde serão discutidos diversos aspectos referentes a gestão que certamente podem ajudar o empresário a obter melhores resultados no uso de sua tecnologia e de seus recursos humanos.

O horário será das 18:30 às 21:30 h. Inscrições no site da ABTG – abtg.org.br

Não deixem de participar. Espero vocês lá.

26/03/2018 at 9:53 AM Deixe um comentário

Como a economia compartilhada contribui para a economia circular? Fonte: www.ideiacircular.com

 

Na economia compartilhada, a lógica de que você precisa ser dono de um produto para aproveitar sua utilidade é superada. O conceito de posse perde importância, já que as pessoas não têm como objetivo final adquirir ou comprar algo físico, que, com o tempo, tende a se deteriorar. Nesse modelo baseado no compartilhamento, o que vale é o serviço, ou o benefício de um produto, oferecido aos consumidores.

Exemplo que vem à cabeça com facilidade é o carro. Ao adquirir um automóvel zero quilômetro, o consumidor já perde dinheiro ao retirá-lo da concessionária. Há uma depreciação rápida, ainda que o hodômetro marque poucos quilômetros rodados. Esse é apenas o prejuízo inicial. Com o tempo, esse mesmo consumidor terá de fazer as manutenções periódicas e assumir os gastos com gasolina, IPVA, seguro, estacionamento, pedágio, enfim, gastos diversos que parecem não ter fim. Sem contar que chegará uma hora que será forçado a trocar de automóvel, pois haverá queda do desempenho, além de a tecnologia se tornar ultrapassada.

Com a ajuda das tecnologias, diversas soluções vêm sendo desenvolvidas, e o compartilhamento de produtos como o carro vem mudando o nosso estilo de vida. Aplicativos se dedicam a oferecer o serviço de chegar ao lugar desejado a um preço que caiba no bolso do consumidor. Há muitos nesse sentido, com destaque para o Uber, que chegou recentemente ao mercado brasileiro desafiando uma situação estabelecida de hegemonia do automóvel próprio.

Até mesmo a General Motors já se deu conta de que vender carros ficará para trás nas próximas décadas. A empresa entrou como sócia do serviço de transporte urbano Lyft, rival do Uber no mercado americano. Veja como isso é realmente simbólico: uma das empresas mais importantes da indústria automobilística, a mais forte e presente do modelo econômico linear, percebeu que o consumidor já não está tão interessado assim em comprar automóvel – mais do que isso: está perdendo o interesse.

A economia compartilhada colabora com a transição para a economia circular por explorar soluções anunciadas pelos principais expoentes do modelo circular. No livro “Cradle to cradle: criar e reciclar ilimitadamente”, os autores Michael Braungart e William McDonough trabalham com o conceito de produto de serviço. Ou seja, em vez de presumir que todos os produtos devem ser comprados, possuídos e eliminados, o caminho é reconcebê-los como serviços usufruídos pelas pessoas. Como sabemos, não há como falar de economia circular e Cradle to Cradle sem destacar o reaproveitamento dos materiais em novos ciclos de uso de ao menos igual qualidade. Em uma economia que privilegia o oferecimento de produtos de serviço, é mais fácil preservar e reaproveitar nutrientes técnicos para que não acabem em aterros e lixões.

Nesse modelo, produtos formados por materiais de enorme valor para a indústria, como metais nobres, não são propriedade do consumidor. Somente seu benefício é comercializado, o que significa que continuam sendo dos fabricantes. Por que um carro é útil para as pessoas? Porque ele transporta rapidamente de um lugar ao outro. Qual é a utilidade da geladeira? Serve para resfriar os alimentos. O mercado oferece então o serviço, colocando as utilidades ligadas aos produtos, e não os produtos em si, à disposição do consumidor.

Ao perceber o fim da vida útil de uma peça ou de um produto, a empresa pode e deve fazer os reparos necessários ou então optar pela retirada de circulação. Lembre-se de que a propriedade é dela, o que contribui para o sucesso da logística envolvida na manutenção ou troca de suas partes, ou ainda na retirada de circulação. Na sequência, a empresa, no caso do produto, opta naturalmente por desmontá-lo para usar os componentes e materiais complexos existentes em sua composição – e, portanto, caros de serem obtidos – como alimento para novos produtos. Essa dinâmica é estimulada através do design circular, ou seja, por meio da preocupação com a escolha dos materiais e com a etapa de concepção do produto, pois é de interesse da empresa facilitar os processos de conserto, desmonte e reaproveitamento.

Pode haver desafios em um primeiro momento para empresas que optam por aderir à economia compartilhada ou em transformar seus produtos em produtos de serviço. Só que elas sairão na frente dos concorrentes e estarão adaptadas a uma tendência que já está se fortalecendo, o que vai significar vantagem competitiva em um futuro próximo. O consumidor torna-se cliente com uma relação ainda mais forte e duradoura com a empresa fornecedora do serviço. O cliente pode optar por adquirir novas versões do serviço a qualquer momento e quantas vezes quiser.

Para mostrar o fortalecimento dessa tendência, vale a pena olhar para o comportamento dos investidores cuja característica é levar em conta o potencial da economia circular. Nesse raciocínio, eles entendem que as empresas inseridas na economia circular calculam seus custos futuros e adaptam seus modelos de negócio para garantir o crescimento sustentado. Para o mercado, faz mais sentido escolher, por exemplo, uma empresa que tenha construído sistema de retorno no seu modelo de negócio para alimentar operações de remanufatura, em vez de optar por uma companhia que dependa exclusivamente de matérias-primas virgens.

 Fonte: http://www.ideiacircular.com

22/03/2018 at 3:27 PM Deixe um comentário

Curso de Formação de Custos Gráficos – Material de Apoio – Kgepel

 

Kgepel – Curso de Formação de Custos Gráficos [Modo de Compatibilidade]

03/03/2018 at 7:40 PM Deixe um comentário

Organizações Exponenciais

Lendo o livro “Organizações Exponenciais” de Salim Ismail me deparei com uma frase que me deixou desconfortável.

“Qualquer empresa projetada para o sucesso no século 20 está fadada ao fracasso no século 21”

Será????

26/02/2018 at 8:21 PM Deixe um comentário

Saber encolher pode ser o grande desafio das empresas no século XXI

Uma das frases que eu mais repito em minhas aulas e palestras é que “no século XX crescer e ganhar dinheiro eram sinônimos, no século XXI, não”. E a cada dia verifico que esta frase está se tornando mais e mais verdadeira.

Porém, este novo momento (já nem tão novo assim…) traz um conflito para a mente de muitos empresários, que nasceram, cresceram e foram educados dentro da visão de que uma empresa próspera é uma empresa que cresce sempre.

E este conflito gera problemas de gestão!

O fato é que as novas gerações de empresários têm que levar este aspecto em consideração e discuti-lo com as gerações anteriores. A questão básica é “qual o tamanho que a empresa precisa ter para sobreviver e prosperar no mercado atual?”

Se a resposta desta pergunta mostrar uma empresa menos do que a estrutura atual a melhor (ou única) ação estratégica e ser tomada é encolher.

E encolher demanda novas visões de gestão que precisam ser aprendidas e praticadas.

Então, para começar o processo, sugiro que se pense sempre nesta pergunta:

“Qual o tamanho que a empresa precisa ter para prosperar no mercado atual?”

 

Vocês concordam com esta visão? Anexem seus comentários.

03/02/2018 at 11:34 AM Deixe um comentário

Economia Circular. Se você nunca ouviu falar, está na hora de conhecer…

(Fonte: http://www.ideiacircular.com.br)

“Nas últimas décadas, a ideia de uma ECONOMIA CIRCULAR vem sendo explorada mundialmente como uma abordagem norteadora de políticas públicas e iniciativas empresariais e científicas, na busca por soluções para os nossos problemas ambientais que permitam sustentar prosperidade econômica e bem-estar social no longo prazo.”

O que é a Economia Circular?

” A Economia Circular é um sistema desenhado para ser restaurativo e regenerativo” (Charonis, 2012 – Ghisellini et al., 2015)

” A Economia Circular é um modelo econômico no qual o planejamento, suprimento, produção e reprocessamento sejam desenhados e gerenciados, tanto enquanto processo quanto resultado, para maximizar o funcionamento de ecossistemas e o bem-estar humano”. (Murray et al., 2015)

 

Para saber mais, consulte os sites

http://www.ideiacircular.com.br

http://www.ellenmacarthurfoundation.org (que tem o vídeo que eu postei no Facebook hoje)

25/01/2018 at 5:45 PM Deixe um comentário

Posts antigos


outubro 2018
D S T Q Q S S
« abr    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
Participe com seus comentários!!! Divulgue o blog!! Vamos criar mais um fórum de debates da indústria gráfica!

Tópicos recentes

Feeds